os que chegam com a noite

Usando circuitos eletrônicos baseados na placa Arduino criamos intervenções no sistema de iluminação de espaços públicos com a intenção de alterar as experiências de espaço e tempo dos visitantes, modificando suas apreensões do ambiente circundante e seus comportamentos nessa situação de perene mudança. A ideia consiste na criação de uma ambiência de luzes intermitentes que se acendem e se apagam progressivamente, remetendo a uma nuvem de vagalumes avançando pela noite. Visitantes são induzidos a repensar o espaço público e suas relações com ele com base na perene variação entre áreas escuras e iluminadas provocada pela animação do sistema de iluminação. Os circuitos são equipados com transmissores e receptores de rádio-frequência que sincronizam as animações dos postes; relés controlam o acendimento e apagamento das luzes de acordo com instruções. A primeira exibição do projeto ocorreu na Noite Branca MG em 2012.

Demonstrativo de funcionamento dos circuitos

descrição

Propomos a reocupação dos espaços públicos pelos habitantes das cidades, pensando neles como lugares de ocupação, manipulação e experiência, laboratórios sociais de comportamentos, sentimentos e sensações. Pequenas modificações no ambiente deflagram alterações nas formas de ocupar os espaços, de entendê-los e neles atuar. Os que chegam com a noite é um tipo de espaço volátil e variante, em que a iluminação abandona seu caráter estático e passa a se comportar dinamicamente, desenhando momentos e situações efêmeras no espaço e nas noites, desenhando cenários. Uma mudança de percepção, deflagradora de ímpetos de experiência social, sensorial, psicológica e geográfica. A apatia do cotidiano das ruas é confrontada por pontuações inusitadas, pela variação forçada da tautológica vida urbana que convida para a experiência, para o diálogo entre pessoas e ambientes. Instalativamente, este projeto pensa e projeta a utopia de uma cidade orgânica, concentração urbana cujo progresso é mera progressão, ação da cidade no tempo, seus movimentos, suas individualidades e interseções coletivas.

Aqui, repensamos as ligações das pessoas com as cidades e os espaços públicos urbanos, proporcionando novas formas de experiência dos ambientes através da manipulação de seus sistemas de iluminação. Parques, ruas, fachadas de edifícios, casas podem ter a iluminação controlada e animada, promovendo a criação de ambiências efêmeras, voláteis como as variações no acender e apagar das lâmpadas. Uma nuvem de vagalumes avançando através da noite.

A automação da iluminação e animação do conjunto de lâmpadas é feita por um sistema desenvolvido pela equipe do projeto baseado na placa Arduino, composto por soluções de eletrônica, hardware e software; o sistema é complementado por uma interface gráfica de usuário programada em Processing visando facilitar a automação e animação do sistema. Para a instalação inaugural na Noite Branca foram montados cerca de 70 circuitos prototípicos capazes de controlar o acendimento e apagamento de até 70 postes. A cada nova montagem intencionamos promover atualizações nos circuitos e softwares, bem como a montagem de novos circuitos para ampliar a área instalativa potencial do projeto.

Vídeo de registro da instalação em funcionamento na Noite Branca, 2012

técnica

Em sua versão atual, a instalação funciona a partir de um núcleo de controle central que consiste em uma placa Arduino Duemilanove e um transmissor de rádio-frequência utilizado para o envio de informações de mudança de estado [ligado/desligado] para todos os nódulos do sistema. Os comportamentos são programados com o uso de um software desenvolvido em Processing que consiste em uma GUI [interface gráfica de usuário] para manipulação, automação e animação do sistema. Esta placa central é responsável por armazenar e processar a animação exportada por esse software, comunicando com cada lâmpada seu estado a cada iteração do sistema e dando instruções gerais de atuação sincrônica ou progressiva. Desta forma é possível atuar no estado das lâmpadas isoladamente ou em grupo, em sincronia ou progressivamente, possibilitando variadas intervenções e animações nos ambientes de instalação.

Um circuito receptor e atuador é anexado a cada poste ou lâmpada individual e tem a função de receber as mensagens transmitidas pela placa de controle, modificando o estado de seu respectivo nódulo conforme a instrução recebida. Para isso, cada circuito deste tipo é equipado com um microprocessador Atmega 328, um receptor de rádio-frequência, um relé e um transformador de corrente [110-220VAC para 5VDC].



Prototipagem de circuitos receptores: Protuino e acionamento de relé



Circuitos receptores: montagem



equipe

Projeto
Cinthia Marcelle [CV]
Pedro Veneroso [CV]


Assistentes de produção
Letícia Weiduschadt
Luna Gomides
Lygia Santos


Programação de interface de edição e circuitos
Thiago Hersan

Consultoria elétrica e eletrônica
Pedro Cimini

Montagem de circuitos
João Paulo Cardoso
Pedro Cimini
Rafael Pimenta
Sara Lana
Thiago Campolina
Victor Hugo Carvalho


Apoio
Noite Branca MG
Marginalia+lab


Agradecimento
Roberto [Eletrônica Guarani]



contato

pfveneroso@gmail.com